JorgeBranco

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Saúde da Mulher

Bem vindo ao site!

Ao endereçar as boas vindas a todas e todos que visitarem este site, quero confessar-vos a minha própria surpresa de me ter dado para isto: fazer um website!
Agora, passeando pelo início da sétima década da vida, só a intranquilidade saudável o pode justificar. Mas já que cá estou, garanto-vos que procurarei desenvolver este trabalho com a coragem intelectual e a frontalidade com que sempre enfrentei os desafios.
Pretendo que este site seja um espaço profissional (mas não só) ao serviço da Saúde da Mulher e da Família e disponível e útil aos profissionais de saúde de quem espero colaboração, sugestões, reflexão e critica construtiva.
Apesar de estar de acordo com o novo Acordo Ortográfico, ainda não alterei o dicionário do "Word". Assim, não vou conseguir obedecer sempre à referida nova ortografia. A pouco e pouco lá chegarei.
No fundo, espero que seja para todos um espaço de conhecimento e prazer que a mim agrada renovar a cada momento.

 

 

Rastreio do Cancro da Mama

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

O diagnóstico precoce é vital para o futuro das pacientes

Afirmei no artigo anterior sobre o cancro da mama que este é o tumor maligno mais frequente na mulher. Para se perceber bem a grandeza deste problema de saúde pública, é importante informar que em Portugal ocorrem aproximadamente 4.500 novos casos de cancro da mama por ano, ou seja 11 novos casos por dia, provocando a morte de 4 mulheres por dia.
Foram também descritos os mais importantes factores de risco que isoladamente ou em associação, comportando-se como co-carcinogéneos, contribuem significativamente para a oncogénese deste tumor.
Muitos destes factores de risco são evitáveis ou modificáveis, pelo que a sua anulação é fundamental para a prevenção primária. É para reduzir o risco de cancro da mama que aconselhamos sistemáticamente as senhoras a optimizar o seu padrão reprodutivo e, em especial a partir dos 40 anos, a aperfeiçoar o seu estilo de vida, evitando ao máximo, entre outros, o sedentarismo, a obesidade e o tabaco e preferindo uma dieta saudável mediterrânica.
Com o rastreio do cancro da mama (iniciado em Portugal em 1986) pretende-se não só um diagnóstico precoce, descobrindo tumores em estadio inicial, muito pequenos, silenciosos, não palpáveis e só vistos em mamografia ou ecografia ou em fase evolutiva não invasiva permitindo assim tratamentos menos mutilantes (cirurgia conservadora) e traumatizantes (quimioterapia). Quanto mais cedo o tumor for detectado, melhores as suas hipóteses de cura ou de uma sobrevida livre de doença bastante mais longa.
Portanto, o maior benefício do rastreio é, em última análise, diagnosticar o cancro o mais cedo possível para evitar a morte por cancro da mama.
Vários elementos concorrem para o rastreio:

1. Rastreio pessoal
1.1. Em primeiro lugar, conheça o seu corpo, nomeadamente as suas mamas (através da visão directa e ao espelho), de forma a poder descobrir rapidamente algo de anormal ou de que nunca se tenha apercebido (sobretudo nas mulheres mais novas, mais de 50% das anomalias são detectadas por elas próprias). Esteja atenta especialmente ao eventual aparecimento dos seguintes sinais de alarme:

Actualizado em Terça, 08 Maio 2012 10:03 Continuar...
 

Integração da MAC no Centro Hospitalar de Lisboa Central

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Carta do Presidente do Conselho de Administração a todos os Profissionais

Cessação de Funções do Conselho de Administração

Em Junho de 2003, fui convidado pelo Ministro da Saúde, Dr. Luís Filipe Pereira, através da então Presidente da ARSLVT, Dra. Ana Maria Borja Santos, para presidir ao Conselho de Administração (CA) da MAC. Escolhi os restantes membros (Dr. Amândio Antunes, Dr. Abílio Lacerda e Enfª Gabriela Moura) e começamos a trabalhar com grande entusiasmo no sentido de elevar a MAC aos níveis de qualidade que sempre lhe competiram.

Poucos meses depois, o Vogal Executivo foi substituído pela Dra. Margarida Theias que, com espírito aberto, conhecimento e experiência, se deixou contagiar  pela dinâmica em curso, constituindo-se assim um CA sólido e unido que teve o privilégio de presidir aos destinos desta Grande Casa e, desta forma, servir o País e o nosso SNS. Não poderia ter tido melhores companheiros no Conselho de Administração!

Melhorou-se quase tudo, fizeram-se coisas muito boas e, naturalmente, algumas menos boas. Valorizaram-se os espaços mas, sobretudo, dignificaram-se as pessoas, os profissionais, há longo tempo sem concursos ou, pior ainda, com concursos impugnados há anos com devastadoras consequências para as suas carreiras.

Continuar...
 

Cancro da Mama

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Pode ser prevenido?

O cancro da mama é o tumor maligno mais frequente na mulher.
O European Cancer Observatory (ECO), nos seus últimos dados publicados (2008), atribui a Portugal a incidência de 78,8 casos por 100.000 mulheres, de que resulta uma mortalidade por cancro da mama de 19,1 por 100.000 mulheres.
Sendo a Grécia o melhor país e a Bélgica o pior (nos 31 países), Portugal situa-se no 10º melhor lugar.
São números bons, sobretudo se comparados com a média da União Europeia (UE), respectivamente de 103,7 e 23,9 por 100.000 mulheres, mas temos de continuar a lutar para sermos ainda melhores, nomeadamente em relação à mortalidade.
Neste sentido, penso que o melhor caminho tem duas faixas paralelas: a prevenção e os cruciais rastreio e diagnóstico precoce.

PREVENÇÃO
Procure, sempre que possível, reduzir os factores de risco evitáveis.
FACTORES DE RISCO:
O maior factor de risco é ser mulher, o que é inelutável (apenas 1% de todos os cancros da mama são no homem).
O outro factor inultrapassável é a idade: 85% dos cancros da mama são diagnosticados nas mulheres com mais de 50 anos, o que obriga a um rastreio bem mais apertado nestes grupos etários.
E que outros factores devemos ter em conta individualmente em cada mulher para prevenção do cancro da mama?
1. Antecedentes pessoais
1.1. De doença benigna da mama:
Algumas situações proliferativas podem funcionar como percursores de cancro da mama (hiperplasia florida, adenose esclerosante, papiloma intraductal), sobretudo quando associadas a atipias citológicas (hiperplasia lobular atípica, hiperplasia ductal atípica).
As situações acima referidas deverão ser, portanto, rapidamente tratadas.
1.2. De cancro da mama:
História pessoal de cancro da mama aumenta o risco de desenvolvimento de outro tumor na mesma mama ou na contralateral; o risco nestas mulheres é de 5 a 10% em 10 anos.

Actualizado em Terça, 08 Maio 2012 10:04 Continuar...
 

Filho segundo José Saramago

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

"Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo correctamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo".

Actualizado em Quinta, 30 Junho 2011 17:07
 


Pág. 1 de 4

Online

Temos 1 visitante em linha

Destaques

"A vida é uma criança que é preciso embalar até que adormeça." Voltaire